carregando

Digite para pesquisar

Dia do Voluntariado

Quando você escuta a palavra solidariedade, o que te vem à cabeça? Você consegue mensurar a importância de um simples gesto na vida de alguém?

O mundo sempre enfrentou cenários difíceis, em diversos âmbitos. Nos últimos dois anos, ainda mais. Por outro lado, algumas ações podem ser realizadas para amenizar essas situações.

A solidariedade pode mudar a realidade de inúmeras pessoas por meio de ações, doações e quando se fala em doar não são apenas coisas físicas, mas é doar a si mesmo em prol daquele que precisa de um olhar de carinho, que precisa do seu tempo e do seu acolhimento. Doações de produtos e de serviços, são complementares ao sentimento de empatia que se deve ter pelo outro. Além disso, o retorno dessas ações é intangível. O sorriso e a gratidão promovem evolução ao espírito, de quem doa e de quem recebe, e isso não tem preço.

Hoje, 28 de agosto, é celebrado o Dia Nacional do Voluntariado. É dia de olhar para o lado e estender a mão, de levantar essa bandeira e motivar mais e mais pessoas todos os dias, assim como reconhecer e agradecer a cada um que faz parte dessa construção.

O Santa Mônica Clube de Campo acredita nessa importância, e por meio do Departamento de Ação Social – DAS, promove diversas campanhas de arrecadação de donativos que são destinados a instituições filantrópicas carentes cadastradas. Para conhecê-las e saber como fazer parte dessa corrente do bem acesse o site do Clube https://santamonica.rec.br/cultural/departamento-de-acao-social/

Se cada um fizer um pouco, o mundo poderá ser muito melhor e mais unido. No final, é olhar com empatia e lutar pela vida de todos que faz a diferença.

O ser voluntário

A associada Silmara Franke é um desses exemplos de solidariedade. Há oito anos, ao se tornar Moniquense, conheceu o Grupo Escoteiro do Santa Mônica – GESM. Por meio do GESM, Silmara começou a realizar atividades voluntárias em prol de crianças e jovens, assim como ações em benefício de pessoas em situação de rua.

Hoje participa de um grupo de fraternidade que, todas as quartas-feiras, faz distribuição de alimentos como sanduíches, frutas, sopas, roupas, entre outros. “Podemos observar que o fato de lembrarmos deles e doar um pouco de nossa atenção é tão necessário quanto os alimentos. Recebemos muita gratidão e, realizar esse tipo de trabalho me faz ver o quanto o mundo é cheio de diversidades, mas que existe amor e felicidade em todos, mesmo com situações financeiras e sociais distintas.
Ajudar o próximo sem julgá-lo é uma dadiva que preenche os nossos corações com
alegria e amor”, comenta.
Clarice Antoniacomi é colaboradora do Santa Mônica e, assim como Silmara, está nessa caminhada há muitos anos em
benefício daqueles que precisam. Ela conta que desde seu ingresso ao voluntariado que aconteceu em março de 2007, ao visitar uma amiga, conheceu o trabalho realizado dentro do Hospital Cajuru, em Curitiba, que consistia em voluntários que acompanhavam os pacientes aos exames ou às consultas. “A alegria deles ao conduzir aquelas pessoas me contagiou. No mesmo dia busquei informações, na sequência participei de uma palestra e de uma entrevista e iniciei esta experiência maravilhosa”, diz.

Uma vez por semana, Clarice dedica seu tempo para acompanhar pacientes para exames, visitas, para o centro cirúrgico, para alta hospitalar, para tomar sol. Desta forma, as enfermeiras podem dar um melhor atendimento aos demais.

Silmara e Clarice têm o mesmo pensamento sobre a importância de ser solidário. “É se doar, é olhar para o próximo com empatia e fazer o seu melhor. Se desafie a essa experiência, tenho certeza que quem o fizer sentirá uma emoção indescritível”, completa Silmara.

“Todo trabalho dignifica o ser humano, mas o voluntariado dignifica nossa alma. Porque faz muito bem para quem o pratica, pois as adversidades são muitas e me traz sempre para a reflexão do quão bem eu estou e do quanto eu posso compartilhar com o outro. Hoje sou uma pessoa muito melhor, muito mais humana, mais consciente. Creio que todos devíamos por algum momento ser voluntários só para sentir o quão valorosa é a nossa existência neste mundo”, finaliza Clarice.

São inúmeras as oportunidades de ajudar causas das mais diversificadas. Procure a que você se sente mais próximo e leve essa importância para todos ao seu redor. Passo a passo, todos podem deixar um legado e um mundo cada vez melhor.

Notícias do Santa Mônica